5 projetos de sustentabilidade para colocar em prática na sua empresa

5 projetos de sustentabilidade para colocar em prática na sua empresa

A sustentabilidade é um assunto cada vez mais recorrente nas mídias, na política e também no mundo corporativo. Veja 5 projetos de sustentabilidade para colocar em prática na sua empresa.


1. Projetos de redução

Pensando em aplicar práticas de redução em uma empresa, somos
condicionados a pensar em reduzir custos. Mas, aí vem a pergunta: como projetos de sustentabilidade podem impactar na redução dos custos? Pode-se citar alguns projetos como redução de custos com energia, aumentando a eficiência energética. Esta prática reduz um dos custos que mais impactam o faturamento de uma empresa.

Outra redução que pode ser colocada em prática é a redução de desperdício.
Em empresas que possuem cozinhas, o alimento deve ser aproveitado ao máximo, preparando receitas com o que geralmente não é utilizado, como por exemplo os talos, cascas e folhas. Outra forma, é armazenar os alimentos de maneira correta, grãos e massas conservam sua vida útil mais tempo se guardados em recipientes fechados, as carnes devem ficar na parte mais fria da geladeira e laticínios nunca devem ficar na porta, e sim nas prateleiras.

Substitua os copos plásticos por reutilizáveis

Os copos plásticos também entram nessa lista; no Brasil, o índice de reciclagem não excede os 20%, com isto, este material faz parte da maior parte do lixo encontrado nos oceanos. Portanto, a melhor dica é fazer o uso de copos laváveis, economizando dinheiro e água – a quantidade de água usada na fabricação de copos descartáveis é maior do que a usada na lavagem de um copo – e ajudando o meio ambiente e os seres marinhos que se alimentam por engano.

Ainda na área do desperdício, modificar as descargas de água instalando uma válvula de duplo acionamento é um dos sistemas mais eficientes na economia de água. Utilizar a mesma quantidade de água em todas as descargas não é necessário. Com a válvula instalada, o usuario pode determinar se serão despejados três ou seis litros de água na bacia. Porém, ao utilizar a válvula convencional, normalmente são despejados entre 10 e 12 litros de água. Notou a diferença?

Outra maneira de reduzir desperdício é ficar de olho no lixo. Desta forma, ele pode ser transformado, equilibrando e alinhando o ecossistema, reduzindo o gasto com matéria-prima e comprando materiais desperdiçados. Outro fator interessante para redução de custos é planejar e otimizar todo o processo da cadeia logística, assim também reduzirá o custo do transporte.

2. Projetos de reuso

Passamos por grandes crises hídricas nos últimos anos e a água potável tem se tornado um bem cada vez mais caro e escasso. Com isso, seu custo aumenta cada vez mais e o reuso da água se torna um diferencial (processo de reutilização da água para fins de utilização não potável) tanto para a folha de pagamentos da sua empresa, como para a imagem social percebida pelos clientes.

A Resolução 54 [1] do Conselho Nacional de Recursos Hídricos define as diretrizes para a reutilização da água e é um importante documento a ser consultado no momento da instalação de sistemas de reutilização de água. Abaixo, alguns exemplos de sistemas de reutilização de água:
● Captação da água da chuva visando a utilização da mesma em atividades como limpeza de maquinário, irrigação de plantas ou lavagem de pátios.
● Tratamento in situ da água usada nos processos industriais, para ser reutilizada no mesmo ciclo de produção. Além disso essa água também pode ser usada no sistema de descargas dos banheiros da empresa.
● Caso a empresa tenha vestiários, é possível reutilizar a água do banho para lavar os próprios banheiros.

Projetos de reuso de água

A utilização de sistemas de coleta e aproveitamento de águas pluviais propicia, além de benefícios de conservação de água e de educação ambiental, a redução do escoamento superficial e, consequentemente, o amortecimento dos picos de enchentes. Isso contribui para a redução de inundações, ou seja, quando uma empresa investe em reutilização de água, ela está contribuindo não só para a preservação do meio ambiente, mas para a segurança da sociedade como um todo. Por isso, adotar estratégias que viabilizem a reutilização da água é uma forma de colocar sua marca como referencial de sustentabilidade e reduzir custos.

3. Projetos de reciclagem

Se em um ano o Brasil reciclasse todos os resíduos que são destinados aos lixões, o país economizaria cerca de 8 bilhões de reais, segundo o IPEA (Instituto de Pesquisa Aplicada). O grande crescimento populacional e industrial que ocorreu nas últimas décadas teve como consequência o aumento na produção de lixo descartado pela sociedade. Dessa forma, a reciclagem vem se tornando cada vez mais indispensável no cotidiano das as empresas, uma vez que ela busca a revalorização de uma matéria-prima que seria descartada, gerando um novo produto e o devolvendo a um ciclo de produção para ser utilizado novamente.

Reciclar garante também diversos benefícios econômicos e ambientais: as companhias podem baratear os custos no processo de produção, gerar empregos diretos e indiretos em indústrias, cooperativas e usinas de reciclagem, economia de energia elétrica e ao mesmo tempo contribuir com a diminuição do impacto no meio ambiente. A coleta seletiva a ser implementada, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos é obrigação dos municípios e metas referentes à coleta seletiva fazem parte do conteúdo mínimo que deve constar nos planos de gestão integrada de resíduos sólidos dos municípios.

Pensando no processo de coleta de resíduos, é importante ressaltar que cada tipo tem um processo próprio de reciclagem, onde, no mínimo, deve-se dividir as frações em resíduos recicláveis secos e rejeitos. Porém, os resíduos orgânicos, se separados, podem ser transformados em adubo, onde começa-se a utilizar a divisão por três frações como a forma mais equilibrada, sendo elas:

  • recicláveis secos (metal, papel, papelão, tetrapak, etc.);
  • rejeitos (resíduos de limpeza, cotonetes, absorventes, entre outros);
  • resíduos orgânicos (folhas secas, restos de poda…).

As formas mais comuns de coleta seletiva hoje existentes no Brasil, segundo o Ministério do Meio Ambiente (SD) são a coleta porta-a-porta e a coleta por Pontos de Entrega Voluntária (PEVs). A coleta porta-a-porta pode ser realizada tanto pelo prestador do serviço público de limpeza e manejo dos resíduos sólidos (público ou privado), quanto por associações ou cooperativas de catadores de materiais recicláveis. É o tipo de coleta em que um caminhão ou outro veículo passa em frente às residências e comércios recolhendo os resíduos que foram separados pela população.

Além de projetos de reciclagem de lixo comum (a coleta seletiva convencional), temos de nos ater a reciclagem de lixo específico, como lâmpadas fluorescentes que contêm mercúrio em sua composição – que é extremamente nocivo a saúde humana- e, principalmente, a reciclagem de lixo eletrônico, também conhecido como e-lixo.

E-lixo: lixo eletrônico

Projetos de reciclagem de e-lixo é de suma importância nos dias de hoje, já que a tecnologia está atrelada às nossas rotinas profissionais e pessoais. E toda tecnologia carrega algum tipo de contaminante nocivo ao meio ambiente e à saúde (alumínio, antimônio, arsênio, berílio, chumbo, cobalto, mercúrio, etc). Para que esses contaminantes não cheguem aos lençóis freáticos e assim não afetem a saúde das pessoas, é necessário a coleta e reciclagem destes materiais, evitando o descarte em aterros sanitários. A reciclagem do e- lixo é feita a partir de 3 passos:

1ͦ  passo: triagem para verificar se existe a possibilidade de reutilizar a tecnologia ou se não há mais condições e necessita de reciclagem;

2ͦ  passo: desmontagem do aparelho para separar suas partes (carcaça, a bateria, o vidro e as placas de circuito) pois cada uma tem um destino diferente;

3 ͦ  passo: reciclagem específica de cada parte:

  • A carcaça é triturada e separada por material de acordo com a sua densidade.
  • Os materiais tóxicos são colocados em tanques preparados para armazenar esse tipo de resíduo e são destinados a empresas especializadas.
  • O componentes que são formados por vidros podem possuir chumbo e arsênio. Por isso, passam por um processo de moagem e tratamento, podendo ser vendidos para empresas que o utilizam como matéria-prima.

No Brasil ainda não existe um processo de reciclagem para a placa de circuito impresso, mas as empresas de coleta de e-lixo enviam para países que já possuem a tecnologia necessária para sua reciclagem.

Assim ocorre a reciclagem de e-lixo, que atualmente corresponde a cerca de 70% dos metais pesados encontrados em lixões e aterros controlados. Se houver a reciclagem desses materiais, essa porcentagem tende a cair rapidamente. Atualmente, a reciclagem de e-lixo no Brasil é crescente comparado a 5 anos atrás. Existem diversas empresas – que podem estar bem próximas de você – que coletam e dão a destinação correta para estes resíduos.

4. Projetos de descarte correto

A Política Nacional dos Resíduos Sólidos no Brasil prevê a prevenção e redução na geração de resíduos, trabalhando com logística reversa. Entretanto, em muitos casos, o serviço da empresa produz rejeitos, ou seja, aquilo que não pode ser reciclado ou reutilizado.

Reciclar

Quando tratamos de resíduos industriais, existem muitos riscos de contaminação, então o material precisa ser avaliado e tornado neutro antes do descarte. A empresa precisa realizar a separação do seu lixo tóxico, além de enviá-lo a um centro de tratamento. Dentre os projetos de sustentabilidade quando se trata de resíduos industriais, existe a possibilidade da sua utilização como matéria prima para o chamado asfalto ecológico, feito a partir de pneus que seriam descartados, o que é uma solução ambientalmente favorável para a indústria de transportes. Os efluente industriais (resíduos líquidos e gasosos derivados de processos industriais) precisam de tratamento antes de seu descarte, seja o lançamento na rede de esgoto no caso de água residual utilizada nos processos industriais que contém resíduos desses processos, ou lançamento na atmosfera como os gases liberados principalmente pelas chaminés das fábricas, responsáveis pela poluição do ar.

Além destes projetos de sustentabilidade, é possível é o tratamento de poluentes gasosos com membranas que absorvam os materiais tóxicos. Separar pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes e rejeitos eletrônicos para descarte correto é um projeto simples que evita contaminação do meio ambiente por metais pesados. Após separar e armazenar corretamente é só solicitar as empresas habilitadas a fazer o manuseio e reciclagem que retirem os materiais. Também é possível instalar um ponto de coleta na sua empresa. Além de favorecer a reciclagem, o descarte correto implementa o marketing verde e estabelece um diferencial na sua empresa.

5. Projetos de compensação ambiental

Por fim, mais uma forma de levar a sustentabilidade para a sua empresa é através da compensação ambiental, uma prática onde sua empresa compensa o impacto ambiental negativo que causou ao meio ambiente. A compensação ambiental pode ser feita através da destinação de recursos para iniciativas que protegem ou preservam ou meio ambiente. Esta solução além de prática pode ser bastante rentável comparada com outros projetos como os de logística reversa.

Atualmente, a solução mais reconhecida pelo Governo é a do Selo eureciclo, que faz a compensação ambiental para embalagens pós-consumo.  Neste caso, a empresa paga para cooperativas de reciclagem triarem e reciclarem uma quantidade de material equivalente ao das embalagens que ela produz e insere no mercado. Assim, ela recebe um selo para comunicar aos consumidores sua preocupação com o meio ambiente.

 

Veja mais sobre a solução do selo eureciclo