Educação ambiental: o caminho para a sustentabilidade

Leia em 4 min

Caminhar em direção à sustentabilidade se tornou uma meta para muitas empresas. Ainda que essa prática não esteja enraizada nos pilares da corporação, ações internas como: diminuição do consumo de água, de energia e de descartáveis, adoção de documentações eletrônicas, gerenciamento de resíduos, ect. podem ser os primeiros passos para essa construção. 

Mas para que não seja algo provisório ou pontual (muitas vezes feito em datas comemorativas, como Dia do Meio Ambiente, Dia da Água), a participação e a promoção da educação ambiental dos funcionários é essencial para que as atitudes sejam constantes na rotina empresarial. E para isso, o papel de um gestor ambiental é mais que necessário.

Porque quando a gente “arruma a casa”, ou seja, promove as mudanças e a conscientização interna, desencadeia as transformações externamente, refletindo, inclusive, na relação com fornecedores e parceiros, o público e, claro, com a lei.

Com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a redução de resíduos e rejeitos, a reutilização e reciclagem deixam de ser apenas uma meta e se tornam uma obrigação, uma responsabilidade compartilhada entre comerciantes, fabricantes, importadores e distribuidores de materiais descartáveis. A lei determina que 22% do volume anual de embalagens disposto no mercado nacional tenha destinação adequada e seja reciclado. 

Mas quais são as soluções que eu, gestor ambiental, posso levar para a empresa onde trabalho com o objetivo de dar um destino correto a todo material produzido?

A logística reversa é um dos instrumentos sugeridos pela PNRS e é uma excelente solução. Ao retornar o resíduo para a cadeia de produção, o material torna-se matéria-prima para os novos produtos. Além de praticar a economia circular, ajudando na diminuição dos impactos ambientais, também ajuda a diminuir os custos da empresa. Ou seja, bom para o caixa e bom para o planeta.

E o que é bom para o planeta é – ou deveria ser – de interesse de todos. Segundo estudos realizados pela Atlas do Plástico, que analisou a quantidade de lixo em 170 praias brasileiras, a maior parte desses locais (54%) está suja ou extremamente suja.

Diminuir a quantidade de embalagens que acabam no meio ambiente, poluindo rios, oceanos e solos, botando em risco a saúde pública e ambiental, é um dever público, das empresas privadas e da sociedade civil.

Então, como gestor ambiental de uma empresa,  integrar as diversas áreas, propondo diálogos e soluções sustentáveis é importante, mas expandir essa comunicação para o poder público e para os consumidores também é.   

A educação ambiental no Brasil, prevista na mesma lei que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental (ProNEA), foi criada com o objetivo de assegurar que a sustentabilidade e o desenvolvimento do país pudessem crescer de mãos dadas. Mas a situação atual nos faz perceber que as coisas não caminharam dessa forma.

Uma enquete feita no site do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o Idec, mostrou que quase 32% dos consumidores ainda não sabem como destinar corretamente seu lixo ou não têm certeza de que os resíduos separados serão efetivamente enviados às cooperativas onde a reciclagem é realizada. Os resultados mostram, também, que 31,1% dos consumidores destacam que falta informação sobre a destinação correta de lixo.

A falta de informação se junta a outra realidade do país: o número baixo de municípios com coleta seletiva, cerca de 22%. Isso contribui para que a nossa porcentagem de reciclagem não seja animadora. E para mudar esse cenário, a logística reversa, novamente, se torna um importante instrumento para as empresas. 

Desenvolver ações que contem com o apoio de cooperativas de catadores de materiais recicláveis, buscar a implementação de pontos de entrega voluntária e investir em campanhas de educação ambiental são formas efetivas e transparentes de reforçar o compromisso da empresa com o meio ambiente. 

Sim, a responsabilidade social de uma empresa deve ir além da legislação, ela deve assumir práticas que contribuem para a construção de uma sociedade mais sustentável.

A embalagem, por exemplo, deve carregar mais do que só o produto. Ela deve trazer todos os valores da empresa e esses valores precisam ser comunicados! As causas que a empresa apoia, as mudanças feitas visando diminuir a pegada ambiental, as melhorias feitas após ouvir o consumidor, as práticas socioambientais e por aí vai. Porque o número de pessoas antenadas e preocupadas com isso só aumenta, e isso se manifesta, muitas vezes, nos hábitos de consumo.

Entender se a empresa garante empregos decentes aos funcionários, ler rótulos atrás de componentes poluentes e até repensar a necessidade do produto já é um movimento real entre os consumidores. Mais do que o produto, as pessoas querem se conectar com os valores éticos, políticos e socioambientais de que o produz. 

E como comunicar ao consumidor o nosso compromisso socioambiental?

Acredite, selos dizem muito! Segundo o Monitor de Responsabilidade Social Corporativa 2010, realizado pela Market Analysis, 36% dos brasileiros acreditam que os selos são a melhor forma de uma empresa comunicar suas práticas ambientais. O selo eureciclo, por exemplo, garante que aquela empresa pratica a compensação ambiental das embalagens, reduzindo o impacto negativo delas no meio ambiente. Com uma única e simples imagem, o consumidor entende que, optando por um produto com esse selo, aquela será uma compra responsável.  

O selo também cumpre um papel educativo, abrindo um diálogo da empresa com o público sobre a importância de fazer o descarte das embalagens de forma correta. E também é uma excelente oportunidade para se posicionar como marca responsável com quem ainda não está familiarizado com nosso sorriso.

Nós acreditamos e levamos a sério a educação ambiental, por isso, em nossas redes sociais, criamos conteúdos que esclarecem dúvidas, que dão dicas de como separar e descartar os materiais recicláveis, e também divulgamos as marcas que estão engajadas junto com a gente.

Quanto mais empresas praticarem logística reversa, mais pessoas saberão onde e porque descartar embalagens corretamente, e dessa forma, caminharemos juntos rumo à sustentabilidade.

Quer pegar essa estrada com a gente?

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *