Sustentabilidade corporativa e o problema das embalagens

Semana passada, estivemos presentes na Innovapack Expo que acontece junto com a FISA, ambos eventos de referência na América Latina para a inovação de embalagens e ingredientes. O selo eureciclo participou como expositor e palestrante, tanto na conferência sobre sustentabilidade como nos seminários abertos. Este artigo busca compartilhar o que abordamos nas palestras e também as últimas novidades sobre sustentabilidade corporativa e o problema da reciclabilidade de embalagens.

O que as empresas podem fazer para serem mais sustentáveis?

Durante as conferências, compartilhamos nossa visão sobre sustentabilidade corporativa, sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e a reciclabilidade de materiais flexíveis. Juntando tudo em uma apresentação única, ficaria mais ou menos assim:

Sustentabilidade é um assunto muito complexo e precisa ser tratado como tal. É necessário envolver todos os atores de forma coordenada para que tenhamos uma solução de verdade. E para mostrar a necessidade de uma solução sistêmica, vou dar um exemplo:

“Imagine que estamos todos em um carro, onde todos estão com as mãos amarradas no volante. E todos conseguem ver um abismo à frente, mas ele está bem longe. De que adianta diminuir a velocidade? O que é necessário é mudar a direção, e para isso todos precisam trabalhar juntos. É assim com a sustentabilidade de nosso planeta, temos problemas claros, que todos enxergam, mas suas consequências são no longo prazo. E por isso vamos postergando a mudança de direção e apenas deixando de acelerar e quando muito freando um pouco”

Na sua empresa é importante que a sustentabilidade de um produto seja discutida desde o começo do projeto. Não como prioridade absoluta, mas sim como mais um indicador que guia as decisões. Quando todos os envolvidos entendem os custos e benefícios das escolhas, temos decisões mais sustentáveis.

Os resíduos

Na conferência nós falamos sobre a PNRS e como as empresas têm buscado soluções para esta demanda do governo. Falamos sobre os riscos de não fazer nada, diferenças entre projetos com cooperativas próprios ou de associações e é claro sobre a compensação ambiental com o Selo eureciclo.

Quando o assunto foi a reciclabilidade de materiais flexíveis, nós tratamos de deixar bem claro que reciclabilidade trata do fim de vida da embalagem. Mas a sustentabilidade de uma embalagem vai muito além do fim de vida, leva em consideração o impacto socioambiental da extração, produção, logística e uso do produto. O calcanhar de aquiles das embalagens flexíveis é o fim de vida.

Focando na reciclabilidade, os materiais flexíveis estão ficando cada vez mais populares em formatos sachês, stand up pouches e os famosos sacos de salgadinhos. Mas o que acontece com essas embalagens após o uso? Caso o consumidor seja consciente e faça o descarte correto, e além disso esteja em um local que tenha coleta seletiva, estas embalagens chegarão à uma cooperativa.

Nas cooperativas, o que acontece é que os cooperados não separam a maior parte dos materiais flexíveis. E não é porque não querem, o motivo é simples, eles não têm incentivo econômico. Estes são os famosos materiais RECICLÁVEIS mas não RECICLADOS. Não existe um mercado que valoriza este material, então não existe quem compre essas embalagens das cooperativas. Isso acontece pois, para ter as qualidades que essas embalagens têm, elas são geralmente feitas de camadas de materiais diferentes. Então na hora de reciclar, ou se junta tudo e sai um material misto, ou tem que separar todos os materiais antes. E separar os materiais costuma sair bem caro.

Embalagens de marcas engajadas com sustentabilidade corporativa
Algumas das marcas já engajadas com a sustentabilidade de embalagens

3 inovações que podem ajudar a aumentar a reciclabilidade destes materiais:

  • A Unilever está testando na Indonésia uma tecnologia nova, desenvolvida em parceria com uma recicladora Alemã. Esta tecnologia faz a separação de todos os materiais, possibilitando a reciclagem de todos os plásticos dos sachês. A melhor notícia é que a Unilever já se comprometeu a compartilhar a tecnologia com o mercado no futuro.
  • Outra tecnologia que já é discutida há muito tempo e agora ganha força nas embalagens, é a Nanotecnologia. Existem empresas pelo mundo todo que estão desenvolvendo novas embalagens usando componentes com 1 bilionésimo de metro. Um exemplo é a brasileira Nanomix, que com sua tecnologia está trazendo pro mercado uma alternativa mais sustentável aos blisters de remédios.

    O que dizem os outros especialistas?

O consultor Alvaro Azanha focou sua apresentação na questão do desperdício de alimentos e como as embalagens evoluíram para lutar contra este problema. A FAO estima que sejam desperdiçados mais de 1,7 bilhões de toneladas de alimentos por ano no mundo todo. Alvaro mostrou diversas tecnologias que aumentam o tempo de validade, facilidade de transporte e conveniência de uso, influenciando diretamente na taxa de desperdício dos alimentos.

Ligia Camargo, diretora de sustentabilidade corporativa da Danone, apresentou o novo posicionamento sustentável da empresa com a assinatura “One Planet. One Health”. A marca está com um foco muito forte na saúde alimentar e mostra um grande comprometimento com um desenvolvimento sustentável. Conheça mais sobre essa nova Danone no manifesto da marca.

Participaram também da conferência Márcio Mendes da Mega Share, compartilhando ferramentas de avaliação de sustentabilidade em empresas, Simone Fraga, da ABIPLAST, compartilhando os esforços da indústria transformadora de plástico com uma economia mais sustentável e Yuki Kabe da Braskem, com uma aula incrível sobre a indústria dos polímeros plásticos e especial atenção aos plásticos de fontes renováveis.

O que esperar do futuro?

A sustentabilidade corporativa é um assunto que veio pra ficar, vemos cada vez mais empresas tratando a sustentabilidade de forma estratégica. Tivemos visitantes em nosso estande das mais diversas áreas de uma empresa, todos muito interessados em deixar suas marcas mais sustentáveis.

Agora que as embalagens são leves, bonitas e resistentes, temos que lidar com o desafio que elas criam: a reciclabilidade. É necessário que todas as partes interessadas, que se beneficiam de toda essa tecnologia, entendam sua responsabilidade com a reciclagem.

Quer saber mais sobre esses assuntos discutidos?
Mande um email para contato@eureciclo.com.br e fale com a gente.

Quero continuar atualizado das novas tendências em sustentabilidade