Evento eureciclo: Qual o futuro da logística reversa no Brasil?

Saiba mais sobre o primeiro evento eureciclo! O evento reuniu diversos especialistas sobre a logística reversa e a sustentabilidade. Veja mais:

No dia 05 de dezembro, quinta feira, tivemos a honra de promover o primeiro evento eureciclo, no Google Campus em São Paulo, de forma saudosista, pois foi o mesmo local onde a marca começou.

Sob o tema “Qual o futuro da logística reversa no Brasil” reunimos especialistas na temática da logística reversa e da sustentabilidade empresarial com o objetivo de refletir o desenvolvimento e aplicação da logística reversa na atualidade, bem como o seu desdobrar para os próximos anos.

O evento é resultado do compromisso da eureciclo com a transparência e conscientização ambiental. Todo o seu desenrolar foi pensando em trazer luz sobre a temática, alinhando os diversos pontos de vistas dos palestrantes e concluindo com a apresentação dos resultados da eureciclo através da publicação e divulgação do Primeiro Relatório de Desempenho eureciclo.

Aos curiosos, fica a ótima notícia que disponibilizamos o evento na íntegra e pode ser acessado aqui!

Nesse artigo, traremos os principais pontos das discussões promovidas durante o evento. Confira!

Mesa de debate: O futuro da logística reversa no Brasil

Abrimos o evento com a fala do Fernando Silva Bernardes, engenheiro ambiental do Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso do Sul.

Ele trouxe um panorama da gestão de resíduos sólidos no Estado, bem como a importância da logística reversa para que a concentração dos resíduos não seja exclusivamente em aterros, mas, principalmente, na cadeia de reciclagem. Além disso, Bernardes defende a aplicação e fiscalização da logística reversa por Estado, visto que cada local apresenta condições diferentes para as mesmas.

Em seguida, o Luiz Gonzaga, Diretor Executivo da Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre), apontou a necessária responsabilização por parte do poder público e, principalmente, a necessária mudança de hábito para que o consumo seja consciente e a geração de resíduos seja cada vez menor.

Em um terceiro momento, a Anícia Pio, gerente do Departamento de Sustentabilidade da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), elucidou a necessária otimização da gestão pública dos resíduos para que a logística reversa seja efetiva.

Por fim, e não menos importante, José Eduardo Ismael Lutti, Procurador da Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo, colaborou com o cenário da logística reversa desenvolvido acima, ao apontar a necessária e urgente responsabilização por parte das empresas no que tange os resíduos por elas gerados.

De forma sucinta, como resultado de toda a discussão promovida, chegamos a macro conclusões, como por exemplo: a necessidade da responsabilização por parte de todos os atores, bem como a necessidade do desenvolvimento das diretrizes acerca da logística reversa de forma mais clara sobre a maneira como cada um dos envolvidos precisam atuar.

Como a Arezzo se tornou um Case de sustentabilidade

A sustentabilidade empresarial é um dos pontos de debate essenciais para a efetiva aplicação da logística reversa.

Um exemplo de sucesso da sustentabilidade empresarial é a Arezzo, parceira do selo eureciclo, a qual, representada pela Ana Cristina Santos Nobre, Relações Públicas e Sustentabilidade na Arezzo, trouxe voz às inovações que podem ser adotadas pelas empresas quando se trata da gestão de resíduos e logística reversa.

Exemplo disso é o processo de engajamento do próprio time Arezzo quando se trata da sustentabilidade, bem como a grande parceria estabelecida com o selo eureciclo para cumprimento da Política Nacional De Resíduos Sólidos.

Impacto dos Certificados de Reciclagem

Dois principais pontos do evento foi a fala do Fabio Verzbickas, representando o Grupo Estre e a Vera Márcia Teixeira de Lima, representando a Cooperativa Coopervai. Ambos operadores homologados pela solução eureciclo de logística reversa e responsáveis pela coleta e triagem de recicláveis.

Fabio Verzbickas contou a atuação do Grupo Estre no Estado de São Paulo, onde são responsáveis também por ofertar a massa de embalagens destinadas corretamente para compensação ambiental da pegada ambiental (embalagens dos produtos comercializados) das empresas. Para isso, contam com o Dirty – Material Recovery Facility (uma central de triagem automática para separação dos resíduos recicláveis e não recicláveis) que aumenta a escala de atuação da Estre.

Dentro de um contexto maior, o da eureciclo, Verzbickas aponta que a solução de logística reversa da forma como é realizada, em parceria com os operadores, oferece um modelo escalável e auditável, que pode ser exemplo para uma iniciativa nacional.

E para o futuro, ele afirma que a tendência é o aumento demanda por Certificados de Reciclagem por parte das empresas. E que isso ditará o crescimento do valor de investimento das mesmas na cadeia de reciclagem.

Logo em seguida, Vera Márcia Teixeira de Lima, nos contou o impacto dos Certificados de Reciclagem na Cooperativa, através do pagamento pelo serviço ambiental prestado.

Ela falou que uma das maiores dificuldades da cooperativa é a longa distância até os grandes pontos de concentração de resíduo e que a remuneração auxiliou na compra da primeira empilhadeira. Com o que parece uma simples aquisição, a Cooperativa aumentou sua capacidade de comercialização dos materiais triados de 50 toneladas/mês para 150 toneladas/mês.

Além disso, atualmente, com a remuneração, a Cooperativa consegue realizar o pagamento do INSS dos seus colaboradores. Desta forma, a Márcia encerrou o tema mostrando na prática a transformação que a solução eureciclo possibilita para a cadeia de reciclagem.

Desempenho eureciclo

Todo o contexto apresentado no Evento, da apresentação do cenário da fiscalização e de gestão de resíduos à operacionalização por parte dos Operadores privados e Cooperativas, foi o meio de desenvolvimento da solução eureciclo.

É o que os Resultados do Relatório de Desempenho da eureciclo expressam, sob a fala do Thiago C. Pinto (CEO da eureciclo).

Segundo Thiago Pinto, no período de um ano (julho/2018- junho/2019), a solução foi capaz de certificar mais de 93 mil toneladas de resíduos, com a colaboração de 49 operadores de triagem para atendimento da demanda de 1.493 empresas.

Esses são apenas alguns dos resultados, os quais podem ser conferidos em sua totalidade através do Relatório de Desempenho eureciclo, disponibilizado gratuitamente abaixo:

Download | Relatório de Desempenho eureciclo