Saiba tudo sobre a primeira Concorrência de Certificados de Reciclagem do Estado de São Paulo

Nesta terça feira, dia 27 de novembro, ocorreu a primeira Concorrência de Certificados de Reciclagem do Estado de São Paulo na FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo).

O evento reuniu o conselho gestor responsável pela elaboração do edital da Concorrência, assim como os operadores (centrais de triagem de resíduos para reciclagem), empresas associadas da FIESP e a New Hope Ecotech/eureciclo.

A articulação da FIESP tem acontecido desde o ano passado visando uma solução estrutural para a Logística Reversa de Embalagens que orientasse e permitisse a colaboração entre os entes federativos, candidatos signatários, operadores, empresas e a New Hope Ecotech/eureciclo.

O esforço em comum de todos os atores envolvidos resultou na primeira Concorrência que teve como principal objetivo realizar a distribuição de certificados de reciclagem entre as empresas participantes fazendo cumprir a regulação ambiental da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) aqui no Estado de São Paulo.

Essa iniciativa abre espaço para um mercado completamente novo em uma escala estadual que poderá ser aplicada como modelo para uma escala nacional.

Desafios e resultados da primeira Concorrência de Certificados de Reciclagem

Dada a escala do projeto, não faltaram desafios. Um deles foi a criação de um sistema que rastreasse com precisão e confiança os dados de reciclagem e permitisse a articulação entre os atores.

A falta de uma estrutura e operacionalização dos processos que possibilitasse esse mercado era um desafio presente desde a idealização da Logística Reversa.

A superação desse desafio permitiu que a Concorrência ocorresse e houvesse a definição de valores competitivos dos créditos de reciclagem para cada categoria de material, sendo elas: plástico, vidro, metal e papel.

A soma da demanda de créditos de reciclagem de cada uma das categorias citadas, totalizou 9132 toneladas de material reciclado. Desse total, 3481 toneladas foram de papel, 3742 de plástico, 1291 toneladas de vidro e 618 toneladas de papel.

É importante frisar que o sistema da Concorrência garantiu uma oferta de créditos de reciclagem superior à demanda para que houvesse êxito total no evento.

Para atender a demanda, 9 operadores estavam presentes. Entre eles as cooperativas: Recifavela, Vira Lata Mega Central, Vira Lata Matriz, Viva Bem Jundiaí e Cooperlínia. E as iniciativas privadas: Estre, RCR Ambiental, Silcon Ambiental e Flacipel do grupo Multilixo.

É importante ressaltar que na Concorrência foi mantida a opção de prioridade das cooperativas em relação aos operadores privados, como pede a PNRS. A prioridade visa garantir que as soluções de Logística Reversa abranjam as cooperativas visto que elas têm sido a base da reciclagem no Brasil até o momento e são estruturas socialmente vulneráveis.

Ao todo foram 87 empresas participantes da Concorrência que se beneficiaram dos créditos de reciclagem e garantiram o cumprimento da PNRS no Estado de São Paulo além do cumprimento das exigências de logística reversa do pós consumo para a renovação da Licença Ambiental de Operação pela CETESB.

De forma geral, a Concorrência conseguiu assegurar preços competitivos para as toneladas de materiais, assim como um sistema prático de apoio para as empresas e os operadores, tornando escalável todo o processo assim como o impacto no cenário da reciclagem e do cumprimento da PNRS.

Entenda o que é a Concorrência de Certificados de Reciclagem e a PNRS

A necessidade da Concorrência e implementação da LR surgiu por conta da Política Nacional de Resíduos Sólidos, lei que define diretrizes para diminuir a quantidade de resíduos sólidos produzidas e descartadas incorretamente.

Dentro deste contexto foi criada a Logística Reversa como instrumento de apoio da PNRS para que a redução de resíduos ocorresse. A partir de então, passou a ser responsabilidade das empresas, dos importadores, dos distribuidores e dos comerciantes a reciclagem das embalagens, ou ainda, a sua compensação ambiental através da reciclagem do mesmo tipo de material.

Dentro desse panorama, a concorrência de Certificados de Reciclagem é um modelo análogo ao Leilão de Energia, onde os créditos de reciclagem possuem seus valores disputados entre os operadores.

Nesse sistema, as empresas participantes da Concorrência lançaram suas demandas de créditos de reciclagem (quantidade e tipo de material a serem compensados) antecipadamente e após o levantamento desses dados foi iniciada a homologação das ofertas dos créditos por parte dos operadores.

Na Concorrência todos os operadores disputaram por meio de lances a quantidade de créditos que iriam vender e a qual preço.

Através de valores competitivos dos Certificados de Reciclagem é possível manter uma solução de Logística Reversa (LR) economicamente viável para as empresas participantes e operadores.

Para saber o avanço da PNRS aqui no Brasil e os detalhes da Logística Reversa acesse o artigo abaixo.

Saiba tudo sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos.