Reciclagem: tudo que você precisa saber para colocá-la em prática

Veja como a reciclagem pode se tornar um diferencial de mercado para sua empresa e aprenda quais processos e ferramentas são necessários para começar a praticá-la hoje mesmo.

Podemos verificar a reciclagem como o processo de transformações de materiais descartados para a elaboração de novos produtos.

Desta forma, a reciclagem é uma maneira de reduzir a produção materiais, através da substituição de matéria prima virgem pela reciclada, e consequentemente, de resíduo, o que a torna extremamente importante nos dias atuais.

Estima-se que já geramos mais de 8 bilhões de toneladas de plástico, do qual, apenas 10% foi reciclado realmente. E diferente do que podemos pensar essa quantidade gera impacto não apenas ambiental, mas econômico, tanto para o Estado, como para pequenas e grandes empresas.

E é claro que o impacto de todos os resíduos trazem muitas consequências negativas, no entanto, com elas, diversas oportunidades para aplicação de soluções criativas e lucrativas surgem, criando um diferencial de mercado. Muitas marcas, inclusive, já iniciaram ações para um marketing sustentável.

Ou seja, além do intenso modelo de produção de materiais descartáveis, estamos vivendo um momento de repensar nossas relações de consumo e posicionamento como empresa.

Existem ferramentas para lidar com a questão da reciclagem à nível corporativo mas que por serem complexas assustam muitos empreendedores. Nós queremos descomplicar um pouco dessas soluções para que você comece a aplicar e fomentar a reciclagem no seu empreendimento, sem perder muito tempo.

De logística reversa à gestão integrada de resíduos, seguem todos os tópicos que iremos falar nesse conteúdo:

  • Contextualização histórica: O problema do lixo
  • Porque as empresas estão se mobilizando?
  • O ciclo da logística reversa e a PNRS
  • Ações que a sua empresa pode adotar
    – Embalagens sustentáveis
    – Cuidado com o tipo de resíduos
    – 3R’s da sustentabilidade
  • Como destinar os resíduos recicláveis da sua empresa
  • Como cuidar dos resíduos que vão para o consumidor
  • O futuro da reciclagem no brasil

 

Confira!

Contextualização histórica: o problema do lixo

Não faz muito tempo que nossa relação com os resíduos/lixo era completamente diferente do que temos hoje em dia. Dos milhares de anos da humanidade, só no último século, com a primeira e segunda revolução industrial, o plástico, metal, papel e vidro começaram a ser fabricados massivamente.

Empregados para a criação de diversos produtos, os descartáveis tornaram-se febre entre os consumidores pela praticidade e baixo custo. No entanto, através dos avanços tímidos, mas consistente, da conscientização ambiental, percebemos uma busca, cada vez maior, de alternativas mais sustentáveis por parte dos consumidores.

O canudo, por exemplo, só foi criado em 1888, com o objetivo de substituir um canudo natural que era obtido a partir de uma espécie de capim, que acabava deixando gosto na bebida. Desde que se popularizou, temos trilhões de canudos sendo consumidos diariamente no mundo inteiro.

A representatividade do debate ambiental que o canudo traz é indiscutível, entretanto ele é apenas um dos pontos de partida que podemos escolher para uma análise que visa repensar e reestruturar a maneira como dispomos os produtos e produção em nosso empreendimento.

No geral, a questão do lixo, e principalmente da gestão dele, é algo muito mais antigo, que beira as questões sanitárias e que influenciam a saúde pública desde as primeiras aglomerações humanas. Com resíduos sólidos sendo gerados exponencialmente, encontrar uma forma de gerir integralmente a produção, destinação e descarte, passou a ser responsabilidade não apenas do governo, mas também de iniciativas privadas.

A reciclagem vem então como uma ferramenta essencial nos tempos modernos.

Porque as empresas estão se mobilizando?

É claro que o canudo virou ícone da problemática de resíduos atual, mas ele não é o único problema e nem deve ser considerado como culpado de todas externalidades negativas dos resíduos. Ele surge como uma solução para um problema, o que por fim criou algumas consequências negativas, que fizeram com que surgissem novas soluções e alternativas para essa questão. E assim caminha a humanidade.

Essa mobilização tem preocupado empresas do mundo todo, que apostam no crescimento da sustentabilidade em seus negócios como forma de abarcar o nicho, cada vez maior, de consumidores conscientes.

Ainda assim nem todas empresas praticam ou estimulam ações de reciclagem, por três razões muito compreensíveis, ainda que equivocada. São elas:

  • É muito caro adotar estratégia que ajudem a melhorar os índices de reciclagem.
  • Não tenho tempo para implementar algo do tipo.
  • Minha equipe/chefe não é engajada o suficiente para haver uma mudança sistêmica.

 

Já se pegou afirmando alguma dessas frases?

Tempo, dinheiro e pessoas se constituem como os principais desafios, e ao mesmo tempo oportunidade, de uma boa estratégia administrativa. Ao encarar os três elementos citados, como limitantes, você estará limitando seu negócio antes mesmo de pensar alternativas criativas e econômicas.

Vamos mostrar nos próximos tópicos que algumas soluções de reciclagem podem ser implementadas de forma barata, e o melhor, podendo ajudar no desenvolvimento de um marketing sustentável que trará retorno financeiro.

Além de toda a pressão do consumo consciente, há também o avanço das legislações ambientais, entre elas a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e seu principal instrumento, a Logística Reversa.

O ciclo da logística reversa e a PNRS

O ciclo da logística reversa explica o fluxo dos resíduos da reciclagem no Brasil. Inicia-se na fabricação do produto, posteriormente segue para distribuição onde é direcionado para o varejo e ganha o alcance dos consumidores. Após o consumo os resíduos continuam o ciclo, sendo descartados para a coleta seletiva, eles são triados pelas cooperativas de reciclagem, caso contrário são enviados para aterros e lixões. Ao serem devidamente triados, há a venda para recicladoras finais, que fazem a reciclagem e comercializam para a indústria, fechando desta forma o ciclo.

A Logística Reversa é justamente o retorno adequado dos resíduos para a indústria, você pode conferir um conteúdo completo sobre esse instrumento, aqui. Ela foi instituída pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, legislação ambiental mãe de todos os resíduos no Brasil. Nela são definidas as diretrizes para descarte corretos e formas de minimizar o impacto ambiental. Ela surgiu da necessidade de minimizar o número de aterros e lixões, fazer uma melhor gestão do lixo e através do princípio da responsabilidade compartilhada dividir os custos dos Estados com as iniciativas privadas.

Atualmente, através da PNRS há a busca da integração de todos os atores citados no ciclo da logística reversa. Fizemos um guia geral da PNRS onde você pode verificar os avanços da legislação e para acompanhar mais de perto, existe o SINIR (Sistema de Informação sobre Gestão de Resíduos Sólidos) que conta sempre as últimas novidades e ferramentas para implementação de um sistema de gestão de resíduos sólidos de qualidade.

Ações que a sua empresa pode adotar

Compreender na prática medidas factíveis que possam ser adotadas é um desafio. Para facilitar esse processo separamos algumas ações que você pode começar a repensar ou até mesmo aplicar, hoje mesmo.

Embalagens sustentáveis

Embalagens são o principal volume de descartes atual. Quase tudo é colocado sob algum tipo de proteção, até frutas como banana ou tangerina. Com o objetivo de facilitar a vida estamos levando o consumo a níveis inéditos. E está tudo bem em protegermos nossos produtos, até porque eles devem chegar em boas condições até o consumidor.

Para que isso seja possível e ainda gere menos impacto você pode seguir as ações listadas abaixo:

  • Garanta que os materiais que constituem sua embalagem sejam recicláveis e reciclados de fato. Isso significa que a maioria dos tipos de materiais possuem algum tipo de processo que consegue reciclá-los, e são por isso considerados recicláveis. Acontece que nem todos são de fato reciclados pois, alguns processos são muito caros ou geram materiais de baixa qualidade, o que acaba não compensando e sendo deixado de lado na prática. No nosso instagram damos dicas de recicláveis vs reciclados e a Recifavela, cooperativa de reciclagem, tem um canal no YouTube muito bom também para contar o que realmente é reciclável.
  • Reduza ao máximo a quantidade de embalagens, garantindo, é claro, a proteção do produto. Repense se vale deixar o dobro de embalagens por uma questão meramente estética, por exemplo.
  • Ofereça políticas de retorno de embalagens para seus consumidores, oferecendo em troca descontos.

Quer saber mais dicas sobre como deixar suas embalagens sustentáveis e fomentar a reciclagem? Criamos um Guia Completo que pode ser baixado gratuitamente na imagem abaixo.

Cuidado com o tipo de resíduos

  • Metal

As maiores taxas de reciclagem atualmente estão presentes em resíduos de alumínio, onde, por exemplo, temos a reciclagem de mais de 95% de todas as latas de alumínio para bebidas. Isso ocorre principalmente por ser possível sua reciclagem indefinidas vezes sem a perda de qualidade, em um processo barato de fundição do metal.

  • Vidro

No vidro o cenário não é tão animador, apesar de ser um dos materiais mais considerados sustentáveis. Acontece que ele é economicamente viável para reciclagem enquanto está inteiro, se ele é descartado quebrado, o procedimento para coleta, manipulação e triagem acaba ficando caro por colocar em risco a saúde dos cooperados que realizam a separação. Esse “caro” é em relação principalmente ao custo baixíssimo de se obter o vidro, diferente do alumínio. Então se forem descartar vidro garantam que ele estará envolto por jornal ou uma embalagem resistente de plástico para que os cooperados não se machuquem na manipulação.

  • Plástico

São diversas as classificações de plástico abaixo colocamos o nome dos mais conhecidos e a numeração respectivas que os acompanham nas embalagens.

PET (Polietileno tereftalato) [1]. Atualmente é reciclável e realmente reciclado.

PEAD (polietileno de alta densidade) [2]. É reciclável, no entanto ao vir sob a forma de sacolas plásticas, por exemplo, acabam não sendo reciclados por ser algo muito fino de triar e no final acabam resultando em material de baixa qualidade. O que significa que significa que nem sempre é reciclado.

PVC (Policloreto de Vinila) [3]. É reciclável e reciclado.

PEBD (Polietileno de baixa densidade) [4]. É reciclável e reciclado.

PP (Polipropileno) [5]. É reciclável mas não é reciclado, pois até o momento a indústria não possui interesse nesse tipo de material.

PS (poliestireno) [6]. É reciclável.

Outros [7]. Não são recicláveis.

  • Papel

A reciclagem de papel no Brasil ultrapassa 60% de tudo que é produzido. É um número ótimo comparado ao vidro e plástico, por exemplo. O processo econômico para a reciclagem, o baixo risco da coleta e triagem, aliados a um material final de boa qualidade, justificam o bom índice de reciclagem do papel.

Garanta a não mistura de materiais no seu produto

Busque não misturar tipos diferentes de plástico, isso inviabiliza a devida reciclagem ou ainda, evite que sejam colocados adesivos onde a cola, principalmente no papel, acaba se misturando e impedindo a reciclagem.

3R’s da sustentabilidade

A sustentabilidade é a integração da utilização dos recursos de forma consciente para permitir que as futuras gerações possam também se desenvolver. E os 3R’s da sustentabilidade são ações simples que você e a sua empresa podem começar a adotar hoje mesmo.

  • Reduza: é a primeira ação para fomentar um cenário de reciclagem eficaz, já que será muito díficil conseguir bons índices de reciclagem se a quantidade de material descartado continuar a crescer. Então repense todos os resíduos que possam sair de cena ou ser substituído por reutilizável.
  • Reutilize: Não deu para reduzir? Busque reutilizar ao máximo. Baldes de insumos não contaminantes, potes de vidros para armazenar alimentos, se o seu negócio for de alimentos aproveite para utilizar todas as partes dos ingredientes utilizados.
  • Recicle: o que não der para reutilizar ou reduzir, direcione para reciclagem. Se eles não forem recicláveis volte para o primeiro item e reduza ou substitua por materiais, pelo menos, recicláveis.

Como destinar os resíduos recicláveis da sua empresa

Existem duas formas de ocorrer a coleta de resíduos da sua empresa. Segue abaixo a descrição de cada uma delas.

  • Coleta de porta a porta: fornecida pela prefeitura ou em parceria com as cooperativas de reciclagem local, esse tipo de coleta é realizado em dias e horários específicos para cada lugar. Vale consultar diretamente a prefeitura ou buscar contactar a cooperativa mais próxima para obter mais informações.
  • Envio do material para cooperativas: a depender da quantidade de material residual fornecido pela sua empresa, se torna insustentável a coleta por conta da prefeitura (por uma questão de disponibilidade de caminhões compactadores). Nesses casos é importante fechar parcerias externas, que muitas vezes realizam a coleta gratuitamente.

Como cuidar dos resíduos que vão para o consumidor

Além dos que sobram da fabricação, a responsabilização, pela PNRS, do cuidado com os chamados resíduos pós consumo (o que sobra e é descartado pelo consumidor) são também dos distribuidores/importadores/fabricantes/comerciantes e configuram o principal alvo da Logística Reversa que trataremos no próximo tópico.

Como este tipo de resíduo normalmente não retorna para fabrica, há três opções para logística reversa:

  • Compensação ambiental: há a reciclagem da quantidade de resíduos equivalente a gerada pela empresa. Não necessariamente o mesmo material lançado por ela, mas o mesmo tipo e quantidade.
  • PEV’s (Pontos de Entrega Voluntária): São pontos estrategicamente fornecidos por empresas e varejo, para que os próprios consumidores possam realizar a devolução de embalagens, resto de óleo e outros tipos de resíduos específicos.
  • Doações: são doações realizadas para cooperativas como meio de fomentar a reciclagem através da estruturação dos polos de triagem.

 

Confira a melhor solução de logística reversa para a sua empresa.

O futuro da reciclagem no brasil

O sucesso da reciclagem no Brasil depende da gestão integrada dos resíduos, através dos atores envolvidos (governo, iniciativas privadas e consumidor). Podemos verificar que a conscientização crescente a respeito das problemáticas ambientais têm influenciado a escolha de vários consumidores.

Por esse motivo atualmente, estar engajado e com ações voltadas para reciclagem é um passo fundamental no posicionamento sustentável de uma marca. É mostrar o cuidado e carinho não apenas com os consumidores atuais mas com todas as próximas gerações.