Consumo consciente: conheça a nova face do consumidor brasileiro

Cada vez mais presente e necessário, os impactos do consumo consciente podem ser previstos e utilizados como estratégia para o seu negócio.

Nos três últimos anos o SPC Brasil e a CNDL realizaram análises do perfil do consumidor brasileiro baseado nos três pilares: financeiro, ambiental e social. É sobre o último estudo, publicado em 2017, que vamos falar aqui.

Consumo consciente: será que os brasileiros pensam antes de comprar? Análise eureciclo do ICC/2016.

Em paralelo a esta pesquisa, o Akatu divulgou, este ano, uma análise acerca do Consumo Consciente e seu perfil no Brasil, que corrobora, em diversos dados, a pesquisa mencionada acima.

Consumo consciente é definido como o ato de considerar, durante o processo de compra de um produto, o equilíbrio entre sua satisfação pessoal, as possibilidades ambientais, os impactos de longo prazo e os efeitos sociais e financeiros de sua decisão.

Resultados ICC

Em linhas gerais, o estudo traça o perfil dos consumidores em: consumidores conscientes (28,1%), em transição (56,1%) e pouco ou nada conscientes (15,8%). Ele mostra uma estabilidade no que tange o Índice do Consumo Consciente (71,1% em 2017 e 71,7% em 2016), revelando um crescimento anual no sub-índice de práticas sustentáveis e maior preocupação e consciência do impacto das ações individuais ao todo.

Indicador de consumo consciente. Fonte: SPC Brasil – Análise Consumo Consciente

Mesmo a economia sendo um dos principais motivos para o repensar no consumo de recursos, 2017 foi o primeiro ano em que o índice de práticas sustentáveis superou o índice de práticas financeiras. Nesse sentido “9 em cada dez consumidores brasileiros acreditam que ações de desenvolvimento sustentável são importantes e 59% dos consumidores levam em consideração na escolha se a empresa utiliza práticas prejudiciais ao meio ambiente” (8% a mais que em 2015).

Resultado Akatu

A pesquisa do Akatu analisa 13 comportamentos associados à  práticas de utilização de recurso (banho, utilização de folhas, eletrônicos e etc). Desta forma, consegue medir a consciência durante o consumo e percepções como desejos atrelados ao consumismo e ao sustentável. Os entrevistados foram categorizados em Indiferentes, Iniciantes, Engajados e Conscientes.

Níveis de consciência do consumidor. Fonte: Pesquisa Akatu 2018 – Panorama do consumo consciente no Brasil: desafios, barreiras e motivações

O panorama mostra que 40% dos entrevistados mudariam sua intenção de compra caso a empresa tivesse como atributo proteger o meio ambiente. Desta forma corroborando com a consciência ambiental também presente nos dados levantados no ICC. Além disso 59% dos entrevistados acham que as empresas deveriam fazer mais do que está na lei para trazer mais benefícios à sociedade. Sendo essa porcentagem concentrada em maior parte no grupo de maior consciência. Entre os 10 maiores desejos dos consumidores avaliados, 7 seguem o caminho da sustentabilidade e apenas 2 seguem o caminho do consumismo. Entre os desejos sustentáveis há o desejo de um estilo de vida saudável; alimentos saudáveis, frescos e nutritivos; reduzir impacto da geração de energia.

Ranking de preferências do consumidor. Fonte: Pesquisa Akatu 2018 – Panorama do consumo consciente no Brasil: desafios, barreiras e motivações

Conclusão

Há um futuro cada vez mais consciente ambientalmente, onde todos os processos que envolvem um produto passam a ter responsabilidade no âmbito das três esferas da sustentabilidade (econômica, social e ambiental).

“Em tempos de fake news, a consistência de ações da empresa e a fonte crível de informação são aspectos-chave para a confiança do consumidor em relação ao que a empresa divulga fazer em sustentabilidade.” 1

1 Akatu: Pesquisa Akatu 2018 de Consumo Consciente

Adaptar-se de fato à nova face do consumidor brasileiro é buscar soluções confiáveis, que contemplem a sustentabilidade de forma holística. É apostar no melhor para o futuro de consumidores, sociedade e ambiente, gerando ganho para todos.