O que o mundo está fazendo sobre sustentabilidade: Nepal

O desperdício de plástico é um problema global. O time do Field Ready do Nepal vem pesquisando como podemos usar esses plásticos como um recurso humanitário. Leia mais para descobrir o que fizeram até agora…

[Artigo traduzido de Ben Britton]

As pequenas indústrias do Nepal são dominadas por uma raça única de empreendedores. Bablu veio pela primeira vez ao Nepal em 1997 com um pequeno empréstimo de sua família para montar uma oficina de metal no Nepal. Naquela época, os plásticos eram baratos e o setor mais lucrativo relacionado ao plástico era a produção de metais para moldagem de plástico por injeção. Ao longo dos anos, viu o setor e o mercado local mudarem e investirem em algumas máquinas de reciclagem e moldagem de plástico no início dos anos 2000. Agora, sua fábrica tem uma capacidade de produção de até 20.000 baldes por dia e produz cerca de 50 toneladas de itens plásticos por mês, gerando uma receita média de aproximadamente US$75.000. Ele não encosta em plástico PET – o tipo usado em garrafas plásticas.

Dwarika-ji começou a trabalhar com plásticos há cerca de 20 anos. Ele começou com uma extrusora de plástico produzindo plástico granulado reciclado para o mercado local. Ele tinha pouco conhecimento do setor e nenhum contato local. A primeira tonelada de plástico reciclado que ele fez, ele não conseguiu se livrar. Tal foi o seu desespero que ele deixou o material com pequenas fábricas, como a de Bablu, na esperança de que elas as usassem. Sua aposta valeu a pena e agora ele fornece uma ampla gama de matérias-primas plásticas para mais de uma dúzia de pequenos e médios produtores de plásticos no vale de Katmandu. Dwarika-ji também não encosta em PET plásticos.

A reciclagem de plásticos no Nepal é no geral um negócio informal com muitos recicladores de pequena escala, como Dwarika, comprando diretamente dos catadores. As autoridades metropolitanas de Kathmandu não permitiram a reciclagem de garrafas antigas em novas. Assim, durante uma década, as garrafas plásticas de água do Nepal foram feitas de plástico granulado virgem, importados do Oriente Médio. Dwarika-ji diz que não vale a pena processar garrafas plásticas de plástico, pois não há demanda local para o material de PET processadas. Repressões recentes às exportações de garrafas embaladas para a Índia, proibidas pelas autoridades indianas, tornaram este modelo impossível para as pequenas empresas. Para reciclagem de plástico PET, os coletores têm que vender para recicladores fora de Kathmandu, que são poucos. Isso significa que há uma grande quantidade de garrafas que não são coletadas e acabam inutilizadas, enterradas ou queimadas.

A PET Association of Nepal afirma que 20 mil toneladas de PET são usadas em garrafas a cada ano no Nepal. Isso é quase um bilhão de garrafas! As estimativas sugerem que 400 mil garrafas de água de PET são descartadas todos os dias em Kathmandu. Estima-se que 85% destas acabem como rejeito, a maioria indo para o aterro de Sisdole no distrito vizinho de Nuwakot. Uma das peculiaridades da história de reciclagem no Nepal é que os empresários têm minado o local de aterro há anos para escolher certos tipos de resíduos de plásticos que eles podem vender de volta em Kathmandu.

O Nepal não está sozinho, o problema de resíduos plásticos é global. Enquanto trabalhava nessa questão, encontrei alguns fatos sensíveis. Acomode-se, aqui vamos nós:

– Em 1950, 2 milhões de toneladas de plástico foram produzidas no mundo.

– Em 2017, 400 milhões de toneladas foram produzidas, uma taxa de crescimento composto de 8%.

– 40% disso é embalagem.

– Desde a década de 1950 produziram 8,3 bilhões de toneladas de plástico.

– Apenas 9% de plásticos são reciclados globalmente.

– Todo segundo, 20 mil garrafas de bebidas de plástico são vendidas em todo o mundo. São 7 milhões no momento em que você terminou de ler este artigo.

– Um estudo estima que até 2050 haverá mais plástico do que peixe nos oceanos do mundo.

Uau! Chocante! Mas o que pode ser feito?

Uma coalizão do Field Ready, Nepal Innovation Lab e Rural Development Initiative estão trabalhando para resolver este problema no Nepal, desenvolvendo soluções que podem ser relevantes a nível mundial.

O uso de plásticos reciclados como matéria-prima é uma resposta. Em Kathmandu, transformar resíduos de plástico em novas garrafas é proibido e a venda de plásticos embalados para a Índia também. Então, quais outros usos existem para PET em particular?

A Field Ready desenvolveu uma gama de produtos baseados em garrafas PET, inicialmente para produção em pequena escala, com potencial de crescimento de algumas centenas de quilos em um mês até níveis industriais de centenas de toneladas por ano. Esses produtos são destinados a aplicações humanitárias, mas são igualmente valiosos no mercado local.

Então, o que estamos fazendo?

Polyfloss – Poly-o quê? Usando a máquina exclusiva Polyfloss de fabricação de lãs de polímero (com base em uma máquina de flocos de doces, mas usando plásticos), estamos prototipando produtos de isolamento de plástico para famílias e situações de emergência. A máquina é pequena e portátil e pode ser implantada em áreas remotas para usar resíduos de plástico encontrados localmente e produzir isolamento contra o frio do inverno e o calor do verão, especialmente em casas cobertas de lata e abrigos temporários.

Materiais de Construção – Usando técnicas simples e materiais disponíveis em todo o Nepal, estamos combinando PET e vários agregados para produzir tijolos, telhas e ladrilhos para chão, parede e teto para uso na reconstrução pós-terremoto e como foco para projetos locais de meio ambiente e meios de subsistência.

A Field Ready está mais interessada em tornar essas tecnologias facilmente implantáveis em caso de emergência, por exemplo, nas fases iniciais de construção de abrigos normais e para emergências de inverno e projetos de sobrevivência IDP. Com um produto final feito de resíduos de plástico, o material se torna um recurso valioso em uma economia de resíduos zero, parte do ideal de economia circular mais ampla, onde o uso final de um produto é considerado e planejado na fase de fabricação e design.

Agora, o desperdício de plástico de PET é um problema maciço (20 mil toneladas) para o Nepal. A Field Ready continua a desenvolver produtos para o mercado local e tecnologias adequadas para fazer esses produtos localmente usando resíduos de plástico. Trazer empresários como o Bablu e Dwarika será fundamental para tornar essas aplicações para o plástico PET comercialmente viável. Esta abordagem pode, ao mesmo tempo, oferecer empregos para coletores de plástico, processadores, fabricantes de produtos e vendedores dos produtos. Também beneficia o ambiente, o mercado local e humanitário em caso de emergência.

Suprimentos de ajuda humanitária feitos de forma a beneficiar as pessoas nativas e o meio ambiente. Comparando com as práticas humanitárias atuais, o valor agregado torna-se claro.

Nós não somos a primeira organização a superar a idéia de fazer produtos a partir de resíduos, mas nossa abordagem e habilidades colaborativas para desenvolver, testar e implantar esses produtos e as máquinas para produzi-los, faz o Field Ready um lugar único para enfrentar um aspecto do Nepal desafio de plásticos. Este projeto aborda os desafios colocados pela reconstrução e ação humanitária em um ambiente com recursos limitados e demonstra que os estoques vitais, feitos perto de onde eles são necessários, podem ter benefícios para os centros de ajuda, empreendedores, comunidades locais e o meio ambiente. – Artigo original de Ben Britton

O Brasil

Os desafios do Nepal não são tão diferentes dos nosso desafios no Brasil. Ainda temos uma cadeia de reciclagem muito fragmentada e informal. E assim como a Field Ready, a eureciclo acredita que é preciso colaboração entre diferentes atores para que soluções criativas surjam. E qual é o seu papel e o da sua empresa nessa transformação? Entre em contato e vamos conversar sobre como construir um mundo mais sustentável.

Quero participar dessa transformação