A história de Cláudia e a família de plástico

No nosso dia a dia fazemos muitas coisas pensando na conveniência e facilidade. Mas será que vale a pena? Conheça a história de Cláudia e a família de plástico.

Era uma vez…

Cláudia, a utilizadora de plástico

Essa aí em cima é a Cláudia. Ela trabalha no setor de compras de uma empresa de bens de consumo. Quem a vê, pensa que está sempre atrasada, pois está sempre muito acelerada e com pressa. Só que, na verdade, ela consegue: fazer academia, fazer 20 ligações por dia, ir às reuniões, cuidar do filho de 5 anos, bater suas metas e nunca – nunquinha –  chegar atrasada.

Por causa dos horários apertados e correria de sua rotina, ela começou a levar almoço de casa para o trabalho. No escritório, sempre tinha copos e talheres descartáveis, o que facilitava muito sua vida, devido a alta praticidade que lhe poupava tempo.

Assim, ela conseguia realizar algumas tarefa de forma mais tranquila e, às vezes, até tinha 10 minutinhos para pensar na vida.

Certa vez, em seu breve intervalo, Cláudia viu uma reportagem em sua rede social que a surpreendeu. Dizia que os copos e talheres de plástico utilizados nos seus 20 minutinhos de almoço existiriam por mais de 250 anos. Ela pensou:

“EITA! Eu já teria bisnetos até que eles desaparecessem!”

 

Apesar da surpresa imediata, ela voltou às tarefas do trabalho e acabou esquecendo. Continuava utilizando os talheres e copos plásticos do escritório, sem nem pensar muito.

Um fim de semana qualquer, Cláudia estava brincando de desenhar com seu filho e viu algo meio estranho no desenho dele e perguntou:

O oceano cheio de peixes e plástico

– Nossa filho, mas que bichos estranhos são esses que você desenhou?

Ele olhou meio como quem não entende a pergunta e respondeu:

– Essa é a família de copinhos. Essa é a mãe e esses são dois filhinhos. A família de peixinhos não gosta muito deles, porque os outros animais falam que os copinhos podem matar os outros peixinhos que nem eles.

Ela ficou pasma em saber que seu filho já sabia mais sobre poluição do que ela. Naquela noite, ela resolveu procurar mais sobre o assunto e achou um documentário chamado “Plastic Oceans”. Assistindo, ela descobriu que quando os resíduos de plástico não são descartados corretamente, eles acabam indo para o oceano. Consequentemente, podem ficar presos no corpo de diversos animais aquáticos que acabam morrendo por causa disso.

Na segunda-feira, ela levou para o escritório talheres de metal e uma garrafa reutilizável.

E aí, vamos tentar uma #QuartaSemEscândalo? Use a hashtag e compartilhe nas redes sociais suas atitudes sustentáveis!

Quer saber quem é a eurecicloVisite nosso site.